+55 (21) 2505-9393
+55 (21) 99731-6528
contato@acpdbrasil.com

O Dilema das Redes. A tecnologia que nos conecta também nos manipula.

Conformidade, Proteção e Privacidade de Dados

TheSocialDilemma

A equipe da ACPD Brasil vem nesse sábado, com uma recomendação de filme para você. Hoje escolhemos o documentário O Dilema das Redes.

Disponível na Netflix, O Dilema das Redes (título original: The Social Dilemma) é o novo documentário do diretor Jeff Orlowski, que já foi vencedor do Emmy, com outro documentário, Perseguindo o Gelo (título original: Chasing Ice), de 2012, que vem impactando seus espectadores, ao redor de todo mundo.

De forma bem clara e explícita,  este documentário explora como vícios e violações de privacidade são características em inúmeras Big Techs, e ao contrário do que alguns pensam ou concluem, não se trata bugs das plataformas de mídia social, mas sim um modelo de negócio.

YouTube: O Dilema das Redes | Trailer

Dizermos que as plataformas de mídia social são viciantes não é propriamente uma revelação para nenhum usuário do Facebook, Instagram, Twitter etc. No documentário O Dilema das Redes, ex funcionários, dos níveis operacionais, táticos e estratégicos, incluindo vice-presidente sênior de engenharia, presidente, diretor de rentabilização, responsável por plataforma de desenvolvimento, chefe de produtos de consumo, coinventor do Google Drive, do Gmail Chat, dentre outros importantes cargos, dessas Big Techs (Facebook, Pinterest, Instagram, Google, YouTube, Apple, Twitter, Palm) explicam a perniciosidade das plataformas de mídia social. E, vão além, explicam que essas organizações fazem uso maciço de técnicas para manipular o comportamento humano, associadas às tecnologias, a fim de maximizarem seus lucros.

Os lucros das Big Techs são oriundos de códigos e algoritmos com precisão maquiavélica: rolamento infinito de páginas e notificações mantêm os usuários constantemente na órbita destas redes, além das recomendações personalizadas, não para predizer algo, mas para influenciar suas ações, tornando usuários presas fáceis para anunciantes e propagandistas.

Ao longo do documentário, Orlowski conversou e entrevistou homens e mulheres que auxiliaram no conceito e construção das redes sócias, da maneira que conhecemos nos dias hoje. Entretanto, estas mesmas pessoas temem os efeitos que estas redes estão causando na humanidade.

Nunca antes na história 50 designers tomaram decisões que teriam um impacto em dois bilhões de pessoas.

Tristan Harris, um ex-especialista em ética de design do Google.

Por sua vez, Anna Lembke, especialista em dependência da Universidade de Stanford, explica que essas empresas exploram a necessidade evolutiva do cérebro de conexão interpessoal.

Um dos resultados imediatos desse vício e dependência desproporcional se reflete em refeições silenciosas, problemas de autoimagem, e posições radicais pelas recomendações desses algoritmos, que promovem ideologias vagas. Recentemente, na Índia grupos de linchamento da internet mataram 12 pessoas. No Brasil, podemos citar o caso, que ocorreu no Guarujá, SP, de Fabiane Maria de Jesus, que foi morta após página postar boato sobre sequestro e bruxaria. Ao ser confundida com uma suposta sequestradora de crianças que praticava rituais de magia negra, infelizmente, ela foi espancada até a morte.

Muitos dos entrevistados neste documentário, sequer permitem que os seus próprios filhos acessem as redes sociais. Serve para reflexão. Os criadores, os executivos do negócio não querem que a própria família façam uso dos produtos dos seus negócios!

Um ponto fraco do documentário é a sua incapacidade de explicar com precisão o motor que move esta indústria e detalhes de como ela aproveita a psicologia aplicada para explorar as fraquezas e vulnerabilidades humanas.

Algumas vezes ele gira em torno do Prof. Shoshana Zuboff, o estudioso que deu a essa atividade um nome – “capitalismo de vigilância”, uma forma mutante de nosso sistema econômico que mina a experiência humana (conforme registrado em nossas trilhas de dados) para produzir previsões comercializáveis ​​sobre o que faremos, leremos,  compraremos e acreditaremos a seguir. A maioria das pessoas parece ter entendido a parte “vigilância” do termo, mas esqueceu a segunda palavra. O que é uma pena, porque o modelo de negócios da mídia social não é realmente uma versão mutante do capitalismo: é apenas o capitalismo fazendo sua coisa – encontrando e explorando recursos dos quais o lucro pode ser extraído. Tendo saqueado e desnudado o mundo natural, agora o capitalismo se voltou para extrair e explorar o que está dentro de nossas cabeças. E o grande mistério é o por quê continuamos a permitir isso.

Se você não está pagando pelo produto, então você é o produto.

Tristan Harris

Existem todos esses serviços na Internet que consideramos gratuitos, mas eles não são gratuitos. Eles são pagos pelos anunciantes. Por que os anunciantes pagam a essas empresas? Eles pagam em troca de mostrar seus anúncios para nós. Nós somos o produto. Nossa atenção é o produto que está sendo vendido aos anunciantes.

Aza Raskin. Inventor do rolamento de páginas infinito. Ex funcionário Mozilla/ Firefox.

Apesar das duras críticas dos entrevistados às redes sociais e seus modelos de negócio, nem todos são plenamente pessimistas e, alguns sugerem que, com as mudanças certas, podemos salvar o que há de bom nas redes sociais e descartar o que é nocivo.

O documentário O Dilema das Redes é um alarme sobre o mercado por trás dos dados pessoais.

Sugestões de temas para se aprofundar:

  • Disputa pela atenção dos usuários nas redes sociais;
  • Modelo de monetização; e
  • Monitoramento contínuo dos usuários.

Referências Bibliográficas:

G1. Mulher morta após boato em rede social é enterrada em Guarujá, SP. Disponível em: http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2014/05/mulher-morta-apos-boato-em-rede-social-e-enterrada-nao-vou-aguentar.html. Acesso em: 26 set. 2020.

O DILEMA DA INTERNET. Direção: Jeff Orlowski. Estados Unidos, 2020. (94 min).

NETFLIX. O Dilema das Redes. Disponível em: https://www.netflix.com/br/title/81254224. Acesso em: 26 set. 2020.

THE GUARDIAN. The Social Dilemma: a wake-up call for a world drunk on dopamine? Diponíveis em: https://www.theguardian.com/commentisfree/2020/sep/19/the-social-dilemma-a-wake-up-call-for-a-world-drunk-on-dopamine. Acesso em: 26 set. 2020.

THE SOCIAL DILEMMA. The Social Dilemma. Disponível em: https://www.thesocialdilemma.com. Acesso em: 26 set. 2020.

 

One Response

  1. […] seja pela dependência das redes sociais em nosso dia a dia, e destacamos Privacidade Hackeada e o Dilema das Redes Sociais. Aqui cabe ressaltar como empresas como a Cambridge Analytica (CA), responsável pelo escândalo de […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.